ZUSAK, Markus. O Azarão. Bertrand Brasil, 2012. 176 páginas.
(Trilogia Irmãos Wolfe, vol.1)

Não é novidade que sou fã de Markus Zusak. Comecei a lê-lo através de A menina que roubava livros, e conheci outro lado do autor assim que li Eu sou o mensageiro. Um lado que gostei muito, aliás. Apesar de não possuir a mesma singularidade de A Menina que Roubava Livros e não ser tão surpreendente quanto Eu Sou o Mensageiro,O Azarão é uma história bacana, que possui o poder de mudar a maneira como olhamos para o nosso cotidiano.

Cameron Wolfe, ou Cam, nos apresenta, em pouquíssimas páginas, a sua vida: ele está com 16 anos, trabalha com o pai, que é encanador, e possui três irmãos, sendo que o único que Cam pode denominar de amigo é Rube. Por causa das artimanhas que os dois aprontam, eles já estão cansados de escutar sua mãe brigando e dizendo para os mesmos crescerem.

Os dias de Cameron são divididos entre: bolar planos para assaltar algum estabelecimento com Rube, que, na verdade, acabam por ficar somente no papel, e trabalhar com o pai, a fim de comprar um rádio para si. Porém, ao contrário do que é esperado na adolescência, Cam não está se divertindo. Ele queria poder orgulhar seus pais, mas acredita que não é capaz disso. Ele é um garoto que quer crescer, mas não sabe como. E é isso que o livro nos traz: as dúvidas e reflexões de um adolescente que não deseja mais ser o que é.
Eu sempre ia viver com esse tipo de falta de confiança em mim mesmo, de dúvida em relação à civilização à minha volta? Eu sempre ia me sentir tão pequeno que ia doer, e que mesmo o grito mais alto, rugindo da minha garganta, era, na verdade, apenas um lamento? Será que meus passos iam sempre parar de modo tão súbito e afundar no caminho?

A leitura de O Azarão é muito rápida, em parte pela escrita ser simples, mas também por causa da diagramação, que foi um belo trabalho da editora Bertrand Brasil. As letras são escuras, em uma fonte bonita e o tamanho é maior do que o encontrado na maior parte dos livros que já li. O início dos capítulos é indicado com um número bonito e bem divertido, deixando o clima do livro um pouco mais alegre e juvenil.

O conteúdo do livro também é bom, porém não conseguiu despertar a mesma paixão que os outros volumes do autor conseguiram. O personagem principal é um adolescente descobrindo o que quer fazer com a sua vida, uma ideia agradável, mas Cam não se tornou alguém marcante para mim. A história dele foi só uma leitura mediana, para passar o tempo, e sem toda a densidade psicológica que eu esperava encontrar.

Sendo esta a primeira obra escrita por Zusak, foi uma leitura válida. A partir dela eu pude conhecer o autor um pouco melhor e assimilar seu crescimento como escritor ao longo do tempo. Este é o primeiro volume de uma trilogia, que arrisco dizer que irei ler e que recomendo, como uma leitura tranquila.

Deixo aqui um aviso para aqueles que leram somente A menina que roubava livros e esperam encontrar algo semelhante aqui: você vai se decepcionar. O Azarão segue o estilo de Eu sou o mensageiro, tanto na escrita como na ideia. Eu recomendo a leitura, porém deixo esclarecido que não é o melhor trabalho do autor.

Trilogia Irmãos Wolfe 
1. O Azarão (The Underdog)
2. When Dogs Cry (Os demais ainda não lançados no Brasil)
3. Fighting Ruben Wolfe


5 Comentários

  1. Adoro esse autor! Sério, é um dos poucos autores que gosto bastante de todos os trabalhos que li. Ainda não li essa série dele, mas dizem que é um tanto fraca por ser a primeira que ele escreveu, apesar de ter pontos positivos.


    bjus
    terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Michelle Boyd31/05/2013 13:55

    Não li nenhum dos que você citou, mas eu me lembro de adorar as capas dos livros dele. Mas eu já li uma resenha que também não foi tão empolgante de O Azarão.Beijão

    Michelle Boyd

    Little Things

    ResponderExcluir
  3. Quésia Melo31/05/2013 20:30

    Nossa, amo esse autor, mas não conhecia mesmo essa série! Com certeza vou ler! Obrigada pelas informações!
    Beijos :*
    http://sonhandocomlivros.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Michelle, as capas realmente são bem caprichadas né? Também adoro. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o comentário geral, Carol... Acredito que o autor conseguiu melhorar muito com o passar dos seus escritos. Também achei esse livro um pouco fraco, mas relevo por ser o início de sua carreira.
    Beijos.

    ResponderExcluir